Coopercuc

English content

Criada em 2004, a Coopercuc é formada por 271 cooperados, em sua maioria mulheres, que produzem deliciosos doces e geleias a base de frutas nativas do sertão.

Através da linha Gravetero, a cooperativa comercializa seus produtos nos mercados mais sofisticados do Brasil e exporta para Itália, França e Áustria.

.Notícias

10/04/2018

Coopercuc anuncia realização da 10ª edição do Festival do Umbu

 

A Cooperativa Agropecuária Familiar de Canudos, Uauá e Curaçá (Coopercuc), com sede em Uauá, no Território de Identidade Sertão do São Francisco, se prepara para a 10ª edição do Festival do Umbu, que acontecerá nos dias 27 e 28 deste mês, na Praça São João Batista, em Uauá. Com o tema “Alimentação e Sustentabilidade”, nesta edição, o Festival promoverá espaços de discussão e valorização dos potenciais produtivos da sociobiodiversidade da Caatinga, no âmbito do extrativismo sustentável e da agricultura familiar.

O Festival do Umbu é um importante espaço de articulação, troca de saberes, divulgação e comercialização dos produtos da Agricultura Familiar e Economia Solidária. Com programação variada, o evento conta com oficinas de formação, concursos culturais, apresentação de tecnologias sociais, shows musicais e exposições, além de promover o fortalecimento de empreendimentos da agricultura de base familiar através do espaço de divulgação e comercialização da Feira da Agricultura Familiar e Economia Solidária.

Na edição em que comemora 10 anos de existência, o Festival consolida a força do Cooperativismo e da organização comunitária. O momento que começou como uma celebração de agricultores e agricultoras, no final das safras de umbu, ganhou proporções de um Festival símbolo da organização de um semiárido rico e diverso. A presidente da cooperativa, Denise Cardoso, ressaltou a relevância social que o Festival adquiriu ao longo das edições e reforçou a dimensão política do evento.  “A gente passou a fazer um evento muito mais chamativo a nível de discutir políticas públicas e questões sociais. No Festival, um evento realizado por nós, construímos um espaço de discussão política na dimensão social que possibilita a inclusão e fortalecimento da Agricultura Familiar”.

A programação está sendo pensada para fortalecer e dar visibilidade ao trabalho desenvolvido pela Coopercuc e entidades parceiras na consolidação das políticas públicas de Segurança e Soberania Alimentar. Com foco no potencial socioeconômico e cultural da Agricultura Familiar, o evento acontece para despertar a necessidade de uma produção limpa e justa, com foco na qualidade alimentar e respeito ao meio ambiente.

Criada em 2004, a Coopercuc contribui para a organização social das comunidades onde atua e para o fortalecimento da produção, através do beneficiamento de frutas e comercialização de doces, sucos, geleias, compotas, cervejas e licores. A 10ª edição do Festival do Umbu é organizada pela Coopercuc e conta com o apoio do Governo do Estado da Bahia, das prefeituras de Canudos, Uauá e Curaçá e de organizações sociais parceiras.

Por Comunicação Coopercuc

Conteúdo Relacionado: .Notícias

29/03/2018

Parceria entre Embrapa e Coopercuc promove o georreferenciamento de umbuzeiros em pesquisa realizada nos municípios de Curaçá e Uauá, no norte da Bahia

           Visualização de umbuzeiros representados por pontos de geolocalização no mapa digital

O mapeamento proposto pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) foi realizado em parceria com a Cooperativa Agropecuária Familiar de Canudos, Uauá e Curaçá (Coopercuc), com apoio de estudantes dos cursos de Agropecuária e Zootecnia do Centro Territorial de Educação Profissional do Sertão de São Francisco II Antônio Conselheiro (Cetep), de Uauá. Mais de mil umbuzeiros foram mapeados nas comunidades de Caladinho e Serra da Besta, em Curaçá e Uauá, respectivamente.

Segundo o supervisor do setor de tecnologia da Embrapa Semiárido, Fabrício Bianchini, o mapeamento dos umbuzeiros faz parte de uma pesquisa de reconhecimento da densidade e ocorrência, assim como das áreas onde se encontram essas espécies. “A gente vem de um período longo de estiagem e isso afetou, de certa forma, algumas plantas de umbuzeiro. Não só a seca, como pragas que incidem a partir do não desenvolvimento da espécie. Então, é importante ver como está a ocorrência das plantas que morreram nesse ambiente natural e como está hoje a densidade e a distribuição dos umbuzeiros nesses dois territórios”, explicou o pesquisador.

O georreferenciamento consiste em mapear pontos, através de coordenadas do GPS, construindo traçados de informações digitais localizadas. Foram dois dias de trabalhos em campo, onde as equipes, guiadas por moradores das comunidades, mapearam árvore por árvore, em áreas de fundo de pasto e de roçado com cerca. Só na comunidade de Caladinho, mais de 400 umbuzeiros tiveram coordenadas traçadas para estudo. Em Serra da Besta foram mais de 600. As duas comunidades possuem Unidades de Beneficiamento de Umbu da Coopercuc e, nas últimas safras, foram as que apresentaram um maior número de produção, dentre as unidades da cooperativa em outras comunidades, por isso foram escolhidas como territórios de pesquisa.

Parceria

Na proposta de desenvolvimento adotada pela Coopercuc, a Embrapa é parceira na realização de pesquisas relacionadas à qualidade do umbu e demais frutas nativas da Caatinga. “A Coopercuc é uma entidade que trabalha muito com o umbu e, basicamente, é ela aqui na região quem representa bem esse meio e a Embrapa é o órgão que trabalha com umbu também, então a gente sempre tenta alinhar essas duas coisas: a parte da pesquisa, com a parte prática de comercialização que a Coopercuc faz”, explicou o coordenador do setor de Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater) da cooperativa, Egídio Trindade.

O setor de Ater da Coopercuc é composto por engenheiros (as) e técnicos (as) em Agronomia, Agropecuária e Zootecnia, além de veterinários que prestam assistência técnica contínua nas comunidades de atuação da cooperativa, através dos projetos Ater Sustentabilidade e Pró-semiárido, do Governo do Estado. O trabalho de georreferenciamento realizado nas comunidades de Caladinho e Serra da Besta contou com o apoio das (os) técnicas (os) em Agropecuária da Ater Taiane Souza, Marilândia Andrade, Caroline Araújo, Celso Loiola e Egídio Trindade, do veterinário Tiago Loiola e do estudante de Agronomia, José Fábio Cardoso, além do supervisor da Embrapa, Fabrício Bianchini.

                      Estudantes do Cetep recebem capacitação da Coopercuc para o manuseio do GPS

Estudantes do Cetep também participaram dos trabalhos. Antes de ir à campo, elas/eles passaram por um curso prático, realizado pela Coopercuc, sobre a utilização do  GPS e ferramentas para a coleta de coordenadas, configuração Datum e georreferenciamento de perímetro. O estudante de Zootecnia, Manoel Artur Gonçalves, contou sobre a experiência. “Eu nunca pensei que em uma área de fundo de pasto poderia encontrar tantos pés de umbuzeiro. A preservação das áreas pelos produtores, o contato com eles e com a Caatinga. Uma aprendizagem para a vida toda, né?”, ressaltou  Manoel. A também estudante de Zootecnia, Acsa Souza, disse que encontrou na atividade uma forma de aprender mais sobre o umbuzeiro e as plantas da caatinga. “O curso de Zootecnia trabalha mais com o estudo dos animais e com essa atividade eu tive um contato maior com a caatinga”, afirmou.

A Coopercuc possui em sua equipe vários técnicos e se preocupa em contribuir na formação desses estudantes. “A gente sempre está tentando, em meio à nossas atividades, participar dessa formação através de estágios,  de convites, de palestras na escola, para que esses alunos consigam ter acesso à realidade da assistência técnica e dos trabalhos desenvolvidos pela cooperativa, como esse realizado em parceria com a Embrapa”, destacou Egídio Trindade.

Resultados

Os dados georreferenciados  e os inventários preenchidos pelas equipes serão levados para o laboratório de geoprocessamento da Embrapa Semiárido, em Petrolina (PE), onde passarão por análise. Serão avaliados o tamanho da área percorrida pela equipe para identificar a quantidade de umbuzeiros por hectare, assim como o número de árvores vivas e mortas nos territórios analisados.  A partir dos resultados, Embrapa e Coopercuc irão pensar em estratégias, junto às comunidades, para manter a produtividade do umbuzeiro, evitar que aconteça, como nos últimos dois anos, a diminuição da produção, e, sobretudo, trabalhar para a preservação dessa espécie nativa que compõe a identidade histórica e cultural da nossa caatinga.

                          Mapeamento de umbuzeiro na Comunidade de Serra da Besta

Texto: Comunicação Coopercuc

Fotos: Equipe Ater

 

Conteúdo Relacionado: .Notícias

21/12/2017

Cooperativa do semiárido baiano expande produção com apoio do fundo agrícola da ONU


Usina da COOPERCUC consegue processar 500 kg de fruta por dia. Foto: FIDA/Juan Cortes Carrasbal

Há mais de uma década, mulheres do semiárido baiano decidiram liderar uma associação de cultivo de frutos silvestres, como o umbu, o maracujá e a goiaba. Hoje, a Cooperativa Agropecuária Familiar de Canudos, Uauá e Curaçá (COOPERCUC) vende anualmente 280 mil dólares em produtos comercializados mundo afora. Iniciativa recebeu apoio do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola das Nações Unidas (FIDA). Leia mais »

28/04/2017

Geração de renda a partir da alimentação saudável desperta atenção de participantes do 9º Festival do Umbu

No segundo e último dia do Festival do Umbu, que acontece em Uauá desde ontem (28), as/os participantes puderem discutir temas de relevância para a promoção de uma produção integrada e apropriada ao Semiárido. Dois painéis atraíram a atenção do público ao abordar as temáticas “Desafios da sustentabilidade Alimentar” e “Caprinocultura de leite: entraves, desafios e organização”. Leia mais »

24/04/2017

Programação do 9º Festival do Umbu evidencia a Integração dos sistemas produtivos

Nesta sexta-feira (28), a partir das 10h, acontecerá a abertura da 9ª Edição do Festival do Umbu, realizado pela Cooperativa Agropecuária Familiar de Canudos, Uauá e Curaçá (COOPERCUC). O Festival, que esse ano tem como tema “Integração dos sistemas produtivos no Semiárido”, encerra dia 29 de abril e toda sua programação acontecerá na Praça São João Batista, no centro da cidade de Uauá (BA).

Agricultoras/es, estudantes, expositores/as, organizações parceiras e demais convidados/as irão participar de painéis de discussões, visitação aos stands de comercialização de produtos de diversos grupos do Semiárido, degustação gastronômica, além de  apresentações culturais. Essas atividades acontecerão entre 9h e 21h, sendo sempre encerrada com atrações culturais em palco na referida praça.

As temáticas dos painéis de discussão foram pensadas para dialogar com o tema do festival e com as atividades desenvolvidas pelas comunidades e famílias que acreditaram e passaram a vivenciar na prática a proposta de Convivência com Semiárido. “Mandiocultura: entraves desafios e organização”, “Mercado institucional PAA e PNAE: políticas públicas para a agricultura familiar” e “ Tecnologia de produção para fruticultura de sequeiro”, são alguns dos temas.

De acordo com Denise Cardoso, presidenta da COOPERCUC, os painéis tem como objetivo “enriquecer a discussão em torno da diversificação dos sistemas produtivos e também mostrar para as pessoas a importância da agricultura familiar em suas diferentes atividades”. Para dialogar sobre as potencialidades e os desafios da agricultura familiar, o festival contará com participação da Embrapa, IRPAA, Superintendência de Agricultura Familiar – SUAF  entre outros/as parceiros/as.

Ao longo dos dias, haverá também uma vasta programação cultural, com destaque para grupos populares regionais de música, o reisado do grupo Cultura e Diversidade, de Monte Santo (BA), o grupo Brincantes da Rua de Baixo – RDB’, formado por crianças de Curaçá  (BA) e outros artistas locais.  Nos stands de exposição e comercialização de produtos oriundos da agricultura familiar, os/ as visitantes poderão conhecer os saberes e sabores de aproximadamente 40 empreendimentos do Semiárido.

Esse ano, o Festival tem como novidade o Armazém da Agricultura Familiar, espaço que irá apresentar a Central da Caatinga, uma organização que reúne 10 cooperativas que trabalham com produtos de base familiar e com a economia solidária.  A Central desenvolve um trabalho em rede, preocupado com a agregação de valor aos produtos e a preservação do meio ambiente.

A 9ª edição do Festival do Umbu é organizada pela COOPERCUC e conta com o apoio do Governo do estado da Bahia, das prefeituras de Uauá, Canudos e Curaçá e de organizações sociais parceiras.

PROGRAMACAO_WEB(1)

AsCom Agência Chocalho

Próxima página »

Cadastre seu email e receba as novidades do nosso site:

Gilberto Gil: "O SERTÃO É COMO UMBU, DOCE QUANDO TEM QUE SER DOCE E AZEDO QUANDO TEM QUE SER AZEDO"

DoDesign-s Design & Marketing